segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Pele oleosa sem drama

Quem tem pele oleosa sabe como é difícil tratar dela. Luciana Villa Nova explica, passo a passo, como lidar com os problemas mais comuns!
por Cris Capuano

28/09/10 20:43

Excesso de brilho, poros dilatados, espinhas e cravos que insistem em aparecer na fase adulta. Todas essas características são comuns à quem tem pele oleosa. Quando elas se concentram na zona T (testa, nariz e queixo), é bem provável que sua pele seja mista. Neste vídeo, a gerente de produtos Luciana Villa Nova, explica como identificar os dois dois tipos de pele mais comuns das brasileiras. Você vai entender porque é tão difícil, para os cientistas, desenvolverem produtos eficientes e com textura leve, ao mesmo tempo!


O passo-a-passo

Para os dois tipos de pele, Luciana Villa Nova ressalta a importância de caprichar na higiene: lave com sabonete adequado duas vezes por dia. A tonificação é uma etapa essencial para evitar que os poros fiquem obstruídos pelos resíduos de produtos e maquiagem. E não é porque sua pele é oleosa que ela não precisa de hidratação: o segredo está na escolha do produto certo. O Chronos Hydra, por exemplo, é um hidratante com textura bem leve e não oleosa. Para mulheres com mais de 25 anos, há também tratamentos específicos da linha Pharma. Quem tem menos de 25 anos também pode recorrer aos produtos específicos da linha Natura Faces.

Veja também: Feira Nacional de Aviação Civil Fotos Festa Junina Dialogos Culturais mês da Consciência XIV Congresso Estadual de Educação do Sintep-MT Parque Nacional Mato-Grossense P&B Livre Dia da Cultura - Fundação Cultural Palmares

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Presentei nesse Natal com produtos Natura

Ciclo 16/2010













Veja Também:

TE3 - Fotos Instantâneas

XIV Congresso Estadual de Educação do Sintep-MT


Parque Nacional Mato-Grossense

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Revista Natura 14/2010

Veja Também:

XIV Congresso Estadual de Educação do Sintep-MT

Parque Nacional Mato-Grossense

Natura M&B Kit para Presente

O kit para montar de presentes Natura Mamãe e Bebê foi desenvolvido para celebrar os momentos especiais do seu bebê como o nascimento e a comemoração do primeiro aniversário. Contém 20 mini sabonetes de 25g cada, 20 caixinhas, 20 fitinhas de cetim e 20 adesivos para montagem e personalização das lembrancinhas.

Veja Também:

XIV Congresso Estadual de Educação do Sintep-MT

Parque Nacional Mato-Grossense

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Inéditos, na discografia completa de Itamar Assumpção

Por Lauro Lisboa Garcia, estadao.com.br, Atualizado: 11/9/2010 18:10

Arquivo/AE

"'Caixa Preta' traz obra de Itamar Assumpção"

A fina flor da cena paulistana independente celebrou na quarta-feira, no Sesc Pompeia, o pré-lançamento da Caixa Preta, projeto grandioso realizado pelo Selo Sesc, reunindo todos os álbuns do compositor paulista Itamar Assumpção (1949-2003), entre eles dois inéditos, Pretobrás II - Maldito Vírgula, produzido por Beto Villares, e Pretobrás III - Devia Ser Proibido, com produção, arranjos e direção musical de Paulo Lepetit, baixista, arranjador e fiel parceiro de Itamar. É ali mesmo nessa unidade do Sesc que cada um desses 12 discos serão recriados na íntegra em shows durante todo o mês de outubro, com participação de todo o elenco que abrilhantou os CDs inéditos.

'A gente não inventou nada. Foi tudo ideia do meu pai', disse Anelis Assumpção, que divide com a irmã Serena e Villares a direção artística de um dos CDs. Anelis referia-se tanto à Caixa Preta quanto aos sucessores de Pretobrás - Por Que Que Eu Não Pensei Nisso Antes?, que Itamar realizou em 1998.

Genial e genioso, Itamar tinha fama de 'maldito' na mídia e de 'difícil' no meio musical. A produção de seu último trabalho em vida, Isso Vai Dar Repercussão, com Naná Vasconcelos, foi conturbada. Agora, trabalhar para ele em sua ausência proporcionou a músicos como Lepetit, o guitarrista Luiz Chagas e a cantora Suzana Salles - que fizeram escola com Itamar na antológica banda Isca de Polícia - momentos de maior liberdade. 'Pude fazer meus solos à vontade', brinca Chagas. 'Ele punha fogo pra gente tocar. Depois, claro, cortava.' Para ele, o trabalho fluiu com naturalidade porque a banda não parou, mesmo com a morte do líder. 'Nunca paramos para questionar a ausência dele.'

Chagas, como Suzana, reconhece o amadurecimento do compositor. 'Ele passou o período de ser complicado para outro em que ficou sofisticado e depois simples demais. O barato dele era entrar no estúdio, fazer um loop de dois acordes e compor a letra em cima. Aí a gente complicava. Depois voltou a fazer música com mais acordes', diz o guitarrista. Mas o que é aparentemente simples em Itamar não é fácil para os intérpretes, como se constata, por exemplo, em Grude, interpretada por Ney Matogrosso, e em Elza Soares, com a própria. 'Ele vivia em constante renovação. Era aquela água brotando que todo mundo ia lá beber', afirma Suzana.

Linguagem. É reconhecível no Pretobrás III a inconfundível linguagem sonora de Itamar, que para Lepetit foi 'uma faculdade', mas a sonoridade é outra. Está mais limpa. 'Ele gostava de meter a mão em tudo, inclusive na mixagem, que ele não entendia', diz Suzana. O som dos discos do Itamar nunca conseguiu corresponder ao dos shows. É notório. Itamar ao vivo era outra coisa. Quem não o viu e só ouve os CDs não tem a dimensão do que era o som dele de verdade. Desta vez vai ter não só a dimensão captada adequadamente em estúdio, como também essa história nova do Beto Villares.'

Villares e as irmãs Assumpção reuniram expoentes da nova geração da cena independente, como Curumin, Pupillo, Marcelo Jeneci, BNegão, Rodrigo Campos, Bruno Buarque, Antonio Pinto, Thalma de Freitas, Iara Rennó, Céu, o eterno moderno Arnaldo Antunes, Antonio Pinto, e o próprio Villares, fazendo com inteligência a ligação da modernidade do passado com a atual.

Há diferenças evidentes nos dois discos. O de Villares é o que Chagas chamou de 'disco de produtor, que Itamar certamente abraçaria' e Anelis avalia o resultado como o ideal pop que seu pai queria para sua música. Não que a produção de Lepetit não seja pop, mas ali é um trabalho de uma banda que evoluiu com o compositor. Não havia sugestões de arranjos nem nada. 'A gente trabalhou tanto tempo juntos que as linguagens se confundem, tanto a minha de arranjador como a da banda. É uma coisa que tem uma identidade', diz Lepetit. 'Então, foi razoavelmente fácil chegar a esse resultado. É muito natural pra gente.'

Isca, Naná e Alice. O músico, que também trabalhou em esquema parecido em Isso Vai Dar Repercussão (2004), com voz, violão e percussão, chamou Naná a princípio para tocar em cinco faixas, mas ele quis mais e deixou sua marca profunda em oito. A maioria deles, a propósito, foi composta no período do trabalho com Naná. 'Ele estava muito criativo, a cada dia chegava com duas, três músicas novas', lembra Lepetit.

Ele, porém, queria fazer um disco, 'a partir da banda', evitando, no entanto, reunir muitos convidados (leia mais abaixo). 'Muita gente passou pela Isca de Polícia, não dava pra chamar todo mundo.' Mas, como ele mesmo confirma, a banda está bem representada por Chagas, Suzana, Bocato, Vange Milliet e Marco Costa.

A única letra dos dois álbuns não assinada por Itamar é Devia Ser Proibido (leia no alto da página). Aqui ele é o personagem que inspirou a poeta Alice Ruiz, grande parceira dele em outras canções antológicas. Personagem não é bem o termo para se referir a Itamar no ponto da evolução musical. Suzana lembra que Luiz Tatit já tinha dado o toque num texto no songbook de Itamar a respeito de sua evolução como compositor, quando deixou de representar o 'personagem' Nego Dito. O resultado está aí 'pra provar pra quem quiser ver e comprovar'.

Programação de shows em outubro

Lançamento da Caixa Preta no Sesc Pompeia


dia 15:
Isca de Polícia - Beleléu, Leléu, Eu (convidado: Lenine)


Porcas Borboletas - Às Próprias Custas S/A (convidados: BNegão e Anelis Assumpção)

dia 16:
Anelis Assumpção - Sampa Midnight - Isso Não Vai Ficar Assim (convidados: Arrigo Barnabé e Serena Assumpção)


Karina Buhr/Nhocuné Soul - Intercontinental! Quem Diria! Era Só o Que Faltava !!! (convidadas: Elke Maravilha e Tetê Espíndola)

dia 23:
Orquídeas do Brasil - Bicho de Sete Cabeças I (convidados: Alzira Espíndola e Tom Zé)


Mariela Santiago - Bicho de Sete Cabeças II (convidado: Chico César)


dia 24:
Orquídeas do Brasil - Bicho de Sete Cabeças III e Ataulfo Alves - Pra Sempre Agora (convidados: Jards Macalé e Zezé Motta)

dia 29:
Andreia Dias e banda - Pretobrás I - Por Que Que Eu Não Pensei Nisso Antes? (convidado: Arnaldo Antunes)


Kiko Dinucci, Beto Villares e banda - Pretobrás II - Maldito Vírgula (convidados: Seu Jorge e Elza Soares)


dia 30:
Isca de Polícia e Naná Vasconcelos - Pretobrás III - Devia Ser Proibido e Vasconcelos e Assumpção - Isso Vai Dar Repercussão (convidados: Zélia Duncan e Ney Matogrosso)

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Desodorante Colônia Kaiak Aventura Expedições Masculino

O sucesso da perfumaria voltou em edição limitada.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Visite o Blog: TE3 Fotos Instantâneas

Amó - Conheça a linha criada para usar a dois. Para colocar o amor em movimento

As fragrâncias Natura combinam óleos essenciais exclusivos ao cuidado com o meio ambiente. Como nas melhores casas de perfumaria, nossos produtos também recebem atenção de uma perfumista exclusiva, Verônica Kato, que traz cuidado e sofisticação na elaboração das fragrâncias. Além disso, usamos em grande escala o álcool vegetal orgânico, que é cultivado de forma sustentável em solo preparado sem queimadas e sem o uso de agrotóxicos e adubos químicos.

Festival Natura Nós 2010

Franceses do Air (foto) estão entre as atrações do evento, que acontece nos dias 16 e 17 de outubro

EDITORIAL Nos dias 16 e 17 de outubro, sábado e domingo, a agenda musical de São Paulo é incrementada com a realização do Festival Natura Nós 2010. O evento, promovido pela fabricante brasileira de cosméticos e produtos de higiene e beleza, reúne apresentações de grandes artistas nacionais e internacionais na Chácara do Jockey. No primeiro dia, os destaques ficam por conta dos europeus Air (França), Snow Patrol (Irlanda do Norte) e Jamiroquai (Inglaterra). A América do Sul, por sua vez, é representada pela banda Bajofondo, que traz músicos contemporâneos da Argentina e do Uruguai, e por nomes tupiniquins como Vanessa da Mata e Céu. No dia posterior, as atrações são todas dedicadas às crianças e suas famílias. O roteiro inclui Adriana Calcanhotto com o projeto Partimpim e Pato Fu, que divulga Música de Brinquedo, além de Palavra Cantada, que traz Sandra Peres e Paulo Tatit, e do grupo Pequeno Cidadão, dos músicos Arnaldo Antunes, Edgar Scandurra, Taciana Barros e Antonio Pinto. Programação completa SÁBADO (16/10) - a partir das 15h - Marcelo Jeneci - Cidadão Instigado - Karina Buhr - Vanessa da Mata - Céu - Air - Bajofondo - Snow Patrol - Móveis Coloniais de Acaju - Jamiroquai DOMINGO (17/10) - a partir das 12h - Pequeno Cidadão - Palavra Cantada - Pato Fu - Adriana

Partimpim Foto: Divulgação

Natura lidera ranking de empresas menos poluentes, diz ONG

Eric Brücher Camara Da BBC Brasil em Londres Empresa de cosméticos Natura é a única entre as 200 que menos emitem Empresas brasileiras estão na ponta e no pé do primeiro Environmental Tracking Carbon Ranking – uma lista divulgada em Londres nesta segunda-feira que compara mil companhias do mundo de acordo com a sua emissão de gases que provocam o efeito estufa, levando em conta ainda níveis de transparência e verificação. A lista é um dos seis índices criados pela organização não-governamental Environmental Investment Organisation (Organização de Investimento Ambiental) como um incentivo a iniciativas de redução de emissões de empresas. Além do ranking Global 1000, que reúne as maiores empresas de cada região, a EIO também criou os índices Global 800 (com as 800 maiores companhias do planeta), e os regionais: BRIC 100 (apenas com as cem maiores empresas de Brasil, Rússia, Índia e China), Europa 300, América do Norte 300 e Ásia-Pacífico 300. No Global 1000 divulgado nesta segunda-feira, a Natura Cosméticos ficou em primeiro lugar. Em seguida vêm a dinamarquesa Novozymes, a britânica AstraZeneca, a dinamarquesa Vestas Wind Systems, as japonesas Panasonic Electrics e Panasonic Corporation e a espanhola Repsol YPF. Extremos Já a Petrobras teve avaliação praticamente inversa na 998ª posição, ficando na frente apenas da americana Berkshire Hathaway e do Banco Comercial e Industrial da China. Os rankings levam em conta os níveis de transparência e divulgação das emissões de carbono de todas as companhias e procura verificar as informações declaradas. "Os rankings oferecem uma oportunidade estratégica para tomar-se a iniciativa. Ele simplesmente requer que o sistema de investimento seja persuadido a acompanhar uma série de índices que são virtualmente idênticos aos que já são acompanhados", afirmou o economista Michael Gill, fundador e idealizador do índice. Dois bancos brasileiros se encontram nas últimas posições do ranking. O Bradesco está em 982º, oito posições abaixo do Banco do Brasil. Já o Itaú ficou em 569º, dez posições atrás do Santander Brasil. Já a empresa petrolífera do magnata Eike Batista, a OGX, também ocupa o pé da tabela, no posto 950, 40 posições abaixo da Gerdau. A Natura é a única empresa brasileira entre as 200 mais 'verdes', de acordo com o Global 1000. Depois dela, vem a Vale em 239º lugar. No pé da lista, além da Petrobrás estão quatro empresas americanas (Hathaway, General Electrics, Philip Morris e Goldman Sachs, duas russas (Rosneft e Gazprom), duas chinesas (o já citado banco e a empresa petrolífera e química do país) e uma francesa (Sanofi-Aventis).

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Perfumaria Natura - Kaiak Pulso


Sofisticação e cuidado com a natureza.

As fragrâncias Natura combinam óleos essenciais exclusivos ao cuidado com o meio ambiente. Como nas melhores casas de perfumaria, nossos produtos também recebem atenção de uma perfumista exclusiva, Verônica Kato, que traz cuidado e sofisticação na elaboração das fragrâncias. Além disso, usamos em grande escala o álcool vegetal orgânico, que é cultivado de forma sustentável em solo preparado sem queimadas e sem o uso de agrotóxicos e adubos químicos.





História da higiene pessoal


Tomar banho diariamente, escovar os dentes após as refeições, passar desodorante depois do banho, perfumar-se e lavar as mãos várias vezes ao dia já são hábitos incorporados em nossas vidas.
Mas, você já parou para pensar que, em tempos passados, a relação do homem com a higiene pessoal foi bem diferente? E que esses hábitos também diferem nas diversas culturas, tanto em nosso imenso país quanto no mundo?
Atos simples e fundamentais para manutenção da saúde, como o banho, por exemplo, já foram motivo até de discórdia, inclusive com médicos defendendo que o banho prejudica a saúde da pele ao retirar sua camada de proteção.
Pois é, a história da higiene pessoal tem muitos e curiosos capítulos. Você sabia que a escova de dente é um artefato antigo e que foi encontrada pelos historiadores em tumbas egípcias? Os chineses foram os responsáveis por popularizar seu uso no século XV, conquistando em pouco tempo os europeus. As escovas eram feitas com ossos ou bambus e um pequeno tufo de pelo de animal amarrado na ponta. Mas veja só: uma única escova era compartilhada com toda a família!
A escova com cerdas de nylon, nos moldes em que a conhecemos hoje, foi criada nos Estados Unidos, em 1938, e rapidamente passou a ser usada em todo o mundo como item de higiene básico. Mas, como todo hábito de higiene está ligado à questão econômica, além da cultural, em 2008, o Ministério da Saúde do nosso país constatou em um levantamento que 58% da população brasileira não tem acesso adequado a uma escova de dentes em suas casas.
Outra questão é o ato de lavar as mãos. Segundo historiadores, no século 17, foram encontrados tratados falando da importância de lavar as mãos à mesa, uma vez que ainda não existiam os talheres. Nessa época, o hábito era uma atitude de civilidade, uma vez que dar as mãos ao cumprimentar outra pessoa era padrão de cordialidade.
Por outro lado, na história recente, em 2009 e 2010, presenciamos um esforço para vencer a resistência do brasileiro em lavar as mãos, impulsionado pela necessidade de prevenção da contaminação da gripe suína. Segundo a Divisão de Doenças e Transmissão Hídrica e Alimentar do Hospital Emílio Ribas, de São Paulo, o brasileiro não tem o hábito de lavar as mãos, nem antes de se alimentar. Em outros países europeus e asiáticos, este ato de higiene também não faz parte da rotina.
Banho e bem-estar
Como vimos, os hábitos de higiene dependem de questões bem mais complexas nas sociedades. O banho é outro exemplo de uma rotina que se modifica em todo o planeta. O professor doutor Sandro Germano, coordenador do curso de Tecnologia em Estética e Imagem Pessoal da Universidade Tuiuti do Paraná, explica que a história do banho difundiu-se de maneira distinta em cada cultura.
Segundos os historiadores, foram encontrados tipos de sabão com data anterior a 2.800 a.C., em cilindros da antiga Babilônia. As inscrições sugeriam que o produto era utilizado para limpeza dos cabelos. Os egípcios também cultuavam o ato do banho. Após a morte de Cleópatra, em 30 a.C, o Egito tornou-se província de Roma, absorvendo e difundindo ainda mais a importância do banho, da beleza e do perfume. “Na civilização ocidental, foram os romanos que difundiram o hábito do banho. Nos tempos áureos, os romanos tinham acesso a mais de 13 aquedutos construídos com a finalidade de manter a higiene da população. No século 330 dC, os banhos romanos tiveram um novo conceito relacionado à capacidade de curar e tratar doenças reumáticas, paralisias e lesões. Eram os banhos termais”, explica o professor.
Mais tarde, na Idade Média ou Era Cristã, os banhos coletivos foram considerados impróprios e os médicos desencorajavam o ato, afirmando que ele retirava as camadas de proteção da pele. “No entanto, a proibição do prazer no banho foi uma atitude moral”, afirma o professor.
O professor Sandro Germano diz que o banho voltou a ser um hábito no Ocidente no século 17, quando as técnicas de fabricação dos sabonetes foram aprimoradas na França. “Vale ressaltar que foi no mesmo período que se descobriu a existência de microorganismos, impulsionando o conceito de higiene. O banho diário foi reintroduzido e novas termas, agora chamadas de balneários ou estação de águas, foram criadas. Com a ascensão burguesa, locais apropriados para o banho foram introduzidos nas casas. Surge assim a existência dos banheiros nas residências”, relata o pesquisador.
No final de 1800, os chuveiros ganharam popularidade e formato semelhante aos nossos e o banho tornou-se uma rotina. Da metade do século 20 até hoje, alguns cientistas voltaram a questionar a real eficácia do banho afirmando que, com ele, espalhamos as bactérias da pele no ambiente em nossa volta. Felizmente essa crença não vingou e o banho voltou a ganhar seu lugar nos meios científicos como ato fundamental para manter a saúde do corpo. “O banho é indispensável. Pode ser frio, morno, de ducha, no rio ou no mar. Além de higiênico, ele pode e deve ser um momento de relaxamento e prazer, fundamental para trazer mais bem-estar à nossa vida”, complementa o professor.
O especialista em estética diz ainda que os banhos quentes (entre 37 e 39 graus) são perfeitos para diminuir a tensão, suavizar e eliminar algumas dores, oxigenar vasos periféricos e para fazer escalda-pés, por exemplo. Já os banhos mornos (entre 29 e 36 graus) são excelentes para abrandar e relaxar a qualquer instante do dia, enviando para longe o estresse e o cansaço.
“O banho nos remete a uma sensação uterina. E nós, brasileiros, temos o privilégio de ter muita água doce ou salgada. Até hoje os produtos cosméticos para o nosso clima refletem algo transparente, simulando a água, como o próprio gel, típico em nosso país tropical, o que não se observa na Europa, por exemplo”, destaca Sandro Germano.
Hoje o banho volta a ganhar status de saúde, beleza e bem-estar. Vide a quantidade de clínicas e spas, inclusive nas grandes metrópoles. “É o retorno do banho enquanto ritual de bem-estar”, diz o professor.
E para que o banho seja um verdadeiro momento de bem-estar, tanto para nós como para o planeta, vale lembrar que a água potável é um recurso finito e essencial, que deve ser usado com consciência. Feche a torneira ao se ensaboar ou enquanto lava os cabelos. Use e abuse dos benefícios deste recurso sem se esquecer que é nosso papel garantir que as futuras gerações também tenham acesso à água doce do planeta.
*Na foto, ruínas de Pompéia, cidade romana famosa por suas casas de banho.
Fonte: Matéria da Site da Natura!!

um mundo melhor


Uma pesquisa recém-realizada pela ONG Projeto Tamar em praias de cinco Estados brasileiros –Ceará, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, São Paulo e Santa Catarina– revelam um triste cenário: de cada 10 tartarugas marinhas mortas, quatro morreram porque ingeriram lixo, especialmente sacos plásticos jogados na areia.
Segundo a ONG, dentro de uma única tartaruga verde, encontrada no litoral capixaba, foi encontrado todo tipo deste material, desde pedaço de canudo até tampa de garrafa PET.
As tartarugas confundem plástico com algas, seu real alimento. Depois de ingerido, o material plástico não é digerido pelo estômago do animal, o que impede a alimentação normal. Com isso, elas não conseguem mais mergulhar e passam a ter dificuldade para respirar. As que não conseguem tratamento urgente morrem.
Essa triste estatística poderia ser facilmente revertida com pequenos gestos e ações dos banhistas, como o recolhimento de todo o lixo descartado na areia, por exemplo. Simples assim.
Parece exagero, mas esse caso ilustra bem como atitudes individuais podem fazer grande diferença e influenciar drasticamente os impactos ambientais danosos ao planeta. Muitas vezes, ao ouvirmos notícias de grandes desastres ambientais, temos um sentimento de impotência e a sensação de que nada pode ser feito. Mas, tenha certeza: as simples escolhas do nosso dia a dia são capazes de mudar o futuro das próximas gerações.
É preciso reciclar
Não podemos falar de ações e escolhas sustentáveis sem pensar imediatamente na reciclagem. Esse é o primeiro passo e um exemplo claro de ação que só depende da conscientização das pessoas.
Hoje, mais ou menos 88% do lixo doméstico ainda vão para o aterro sanitário. E o gesto fácil de reciclar os materiais irradia-se e gera uma menor utilização dos recursos naturais da Terra, um menor consumo de energia, menos “lixões” e incineradoras e uma conseqüente redução da poluição e do efeito estufa.
O descarte inadequado de pilhas e baterias também pode representar um grave risco ao meio ambiente e à saúde pública, pela contaminação de solos e lençóis freáticos, atingindo a flora e a fauna das regiões circunvizinhas.
O óleo de cozinha velho jogado na pia da cozinha tem outro grande potencial de contaminação. Quando despejado no ralo, causa o entupimento das tubulações nas redes de esgoto, aumenta em até 45% os custos de tratamento e, fatalmente, é lançado no mar ou nos rios. Como o óleo é menos denso que água, ele se espalha pela superfície com muita facilidade. Por isso apenas um litro de óleo é suficiente para contaminar até um milhão de litros de água, impedindo a passagem de luz solar, prejudicando a oxigenação das plantas aquáticas e afetando todo o ecossistema.

Fonte: Matéria da Site da Natura!!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Presentes Natura para o Dia das Mães – Natura Ciclo 06/2010



Natura – Especial Dia das Mães 2010



clip_image001

Pois é... já está chegando esse dia tão especial, e com ele esses kits incríveis que servem também para presentear não só a sua mãe, mas à amiga, irmã, tia, avó....  


Os presentes estarão disponíveis para compra no Natura Ciclo 06/2010! Mas como sempre, os presentes mais cobiçados terminam antes mesmo de iniciar o ciclo... para garantir alguns é necessário fazer uma reserva antecipada... RESERVE LOGO O SEU!


O ciclo 06 inicia em 16/04 e termina em 04/05.
Os presentes estão apresentados por ordem de preço.
Natura Erva Doce Sabonetes – R$ 29,90
12 Mini Sabonetes (4 cremosos, 4 esfoliantes, 4 glicerinados), 20g cada.
1 Caixa-prateleira,que vira Porta Jóia!!!
clip_image003



Ekos Buriti – R$ 36,00
1 Óleo Trifásico 100 ml
1 Hidratante Pernas e Pés 100g
1 Saquinho Embalagem de Presente
 



clip_image005



Tododia Frutas Amarelas – R$ 39,70
1 Hidratante
1 Sabonete Líquido
1 Caixa de Presente G



clip_image006



Natura Águas – R$ 39,90
1 Águas Lavanda Refrescante ou 1 Lavanda Sensual, 150ml
1 Caixa de Presente G

clip_image008clip_image010



Ekos Pitanga – R$ 49,90
1 Óleo Trifásico
1 Colônia 75ml
1 Embalagem Especial (Saquinho)



clip_image012



Tododia Todanoite Erva Cidreira– R$ 56,00
1 Hidratante Mãos 50 ml
1 Hidratante Corporal
1 Sabonete Líquido Esfoliante
1 Máscara para os Olhos
1 Embalagem de Presente
clip_image014clip_image016
Sève Amêndoas Doces – R$ 57,70
1 Óleo Corporal
1 Sabonete Líquido para o Corpo
1 Creme Hidratante para Mãos 50g
1 Caixa Presente P
clip_image018



Mamãe e Bebê – R$ 64,80
1 Colônia sem Álcool
1 Sabonete Líquido Vegetal 200ml
1 Caixa de Presente G



clip_image020clip_image022



Biografia Feminino Tradicional ou Volume 2 – R$ 69,80 1 Colônia
1 Nécessaire Exclusiva


clip_image024clip_image026

Natura Humor – R$ 76,50
3 Colônias Humor 1, 3, 5 de 25ml
Embalagem para Presente
clip_image028



Mamãe e Bebê Gestante – R$ 78,60
1 Emulsão Auxiliar na Prevenção de Estrias
1 Gel Pernas e Pés
1 Nécessaire Atoalhada
1 Caixa de Presente P



clip_image030



Ekos SPA Castanha – R$ 159,00
1 Polpa para Mãos
1 Bruma de Leite
1 Óleo Trifásico
1 Sabonete em Barra Puro Vegetal
1 Tolha de Corpo Felpuda
1 Embalagem de Presente
clip_image032



Todos os presentes acompanham as embalagens para presente especial do Dia das Mães, exceto os que já possuem suas caixas exclusivas. As embalagens para Presente são lindas!!!



clip_image033clip_image035
Boas compras!

segunda-feira, 22 de março de 2010

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Em 2008, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro comemora seu bicentenário celebrando sua história e importância na vida do Rio de Janeiro e do Brasil. Hoje ele é um dos dez mais importantes do gênero no mundo, abrigando os mais raros tipos de plantas da flora brasileira e de outros países.


Desde 1998, passamos a fazer parte dessa história, apoiando projetos de proteção e cuidado do Jardim e de nossas espécies, incluindo iniciativas de manutenção, conservação, pesquisas e acesso ao público. Atualmente, patrocinamos o incremento do Banco de DNA de espécies da flora brasileira. (Foto: Entrada principal do


Jardim Botânico)